O FUTURO DO MUSEU NACIONAL DE ARQUEOLOGIA EXIGE PONDERAÇÃO E RESPEITO


Com a publicação da saudação do Dr. Luís Raposo aos Amigos do MNA, do artigo do jornal Publico e da notícia da Antena 1, todos abaixo transcritos, chega ao fim a missão deste blogue independente,
feito por alguns amigos do MNA.

A luta travada nos últimos anos em defesa do MNA, impedindo a sua transferência para a Fábrica da Cordoaria Nacional, foi coroada de êxito.

Ao Dr. Luís Raposo desejamos as maiores venturas na continuação da sua carreira profissional.

Se um dia o MNA voltar a estar em perigo, regressaremos,

porque por agora apenas hibernamos.



sexta-feira, 30 de julho de 2010

terça-feira, 20 de julho de 2010

Protocolo: Canavilhas contra recomendação da assembleia

Para que fique registada, transcreve-se a notícia de hoje do Correio da Manhã. Será útil futuramente. Tal como agora o são os recortes que levavam outra ministra a fazer orelhas moucas aos protestos contra a extinção do Museu de Arte Popular e a louvar a criação de um novo Museu da Lúngua...

Ministra ignora conselho

Por: Ana Maria Ribeiro


Apesar da recomendação da Assembleia da República (AR) – que tinha apelado à suspensão da transferência do Museu da Arqueologia para a Cordoaria Nacional –, a ministra da Cultura anunciou ontem que o espólio do museu vai mesmo sair de Belém, onde se encontra actualmente, e onde deverá ser substituído por um novo pólo museológico, dedicado aos Descobrimentos Portugueses.


"As recomendações da AR são sempre muito úteis, mas quem governa é o Governo", disse Gabriela Canavilhas, pouco depois da assinatura do protocolo que permite todas as mudanças e que envolve, além do Ministério da Cultura, os ministérios da Defesa e das Finanças.
As verbas envolvidas são, para já, tabu, mas ficou a saber-se quem vai pagar a transferência e a reestruturação do Museu da Marinha.
"A Cultura paga os custos dos projectos, a Defesa paga a manutenção e actividade dos núcleos museológicos", explicou Santos Silva, ministro da Defesa Nacional.
Para já, foi nomeada uma Comissão, que começa a trabalhar em Setembro próximo e que terá o prazo de 180 dias para elaborar os projectos na sua especificidade. Deverá, inclusivamente, "propor soluções de auto-financiamento" para os ditos museus, adiantou Augusto Santos Silva. Ao que Gabriela Canavilhas acrescentou que "só então serão conhecidas as verbas envolvidas num processo necessariamente demorado". "As obras nunca deverão estar concluídas antes de 2012", afirmou.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Resolução da AR publicada no "Diário de República"

Curiosamente, hoje também, foi publicada a Resolução nº 69/2010, que constitui a chave do futuro:

Museu de Marinha: governo afina pormenores em protocolo adicional

Segundo noticia o Jornal i, com base em resumo fornecido pela agência LUSA, decorreu hoje uma sessão daquelas que os conhecedores da história se habituaram há muito a associar aos sucessivos fins de regime. Um verdadeiro baile de máscaras:

Os “pormenores” da expansão do Museu de Marinha para o atual espaço ocupado pelo Museu Nacional de Arqueologia (MNA), que será transferido para a Cordoaria Nacional, foram firmados hoje num protocolo entre as diferentes tutelas governamentais.
Os ministros da Defesa e da Cultura, respetivamente Augusto Santos Silva e Gabriela Canavilhas, e o secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Carlos Costa Pina, pelo ministério das Finanças e da Administração Pública, assinaram no Museu de Marinha, um “protocolo adicional” ao protocolo assinado em maio último.
Questionada pela Lusa sobre o que não tinha sido especificado no anterior protocolo que levou à assinatura do novo documento, a ministra da Cultura afirmou: “Questões de pormenor, e especificar qual seria o destino do lugar que fica vago com a futura saída do MNA”.
O ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, adiantou que o novo texto especifica os termos em que o Ministério da Cultura assegura o financiamento dos projetos museográfico e museológico, enquanto ao da Defesa caberá a manutenção e actividade.
No seu discurso, Gabriela Canavilhas anunciou que o projeto para o Museu de Marinha, com um “narrativa certa no lugar certo”, é “criar um espaço museológico vibrante, interativo e renovável”.
A ministra afirmou que o renovado Museu de Marinha “contribuirá para o conhecimento do passado e do presente da nossa identidade coletiva”.
Referindo-se ao novo MNA, cuja abertura “nunca será antes de finais de 2012”, na Cordoaria Nacional, a governante disse que se está “a valorizar a arqueologia nacional”.
Questionada sobre os custos da operação, Gabriela Canavilhas afirmou: “Estão a ser dados todos os passos no sentido da preparação do caderno de encargos e tudo isto é feito com cálculos que são antecipadamente previstos”.
“Números finais só mais tarde os podemos dar”, respondeu, assegurando que “cada passo é metodicamente calculado”.
A renovação do Museu de Marinha insere-se no Plano Estratégico – Museus para o século XXI, apresentado pelo Instituto dos Museus e da Conservação no início do ano.
Referindo-se à zona ribeirinha de Santos até Belém, Canavilhas afirmou que "necessitava de ser repensada e revisitada, numa perspetiva de integração e reordenamento cultural".
Quanto ao renovado Museu de Marinha, a comissão técnico-científica que o protocolo adicional hoje assinado contempla, irá propor “o guião, o programa, os conteúdos e a narrativa, a partir do se passará à fase seguinte de elaboração de projetos específicos” começará a trabalhar em setembro, acrescentou.
A comissão será liderada pelo atual diretor do Museu, comandante Rodrigues Pereira, e terá ainda dois outros elementos da parte cultural das Forças Armadas, enquanto por parte da Cultura farão parte os historiadores Francisco Bettencourt e Mafalda Soares da Cunha.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Eixo museológico Ajuda-Belém irá prosseguir apesar de Resolução parlamentar em sentido contrário.

Como sinal do estado de degradação do sistema política a que o País chegou, vale também a pena registar a afirmação explícita e assumida do não cumprimento por parte do Governo de uma Resolução da AR. Tratando-se de matéria não contratualizada eleitoralmente, nem incluída no programa governativo votado na AR, o mínimo que se pode dizer é que o Governo trata desrespeitosamente a AR, com se esta fora mera agremiação recreativa.

Lisboa, 14 jul (Lusa) - A ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, afirmou hoje que o plano traçado para o eixo museológico Ajuda-Belém, em Lisboa, irá prosseguir apesar de recomendação parlamentar que apelava à suspensão - Gabriela Canavilhas
Questionada hoje pela oposição durante a audição na comissão parlamentar de ética, sociedade e cultura, Gabriela Canavilhas afirmou que "a decisão do ministério está tomada" e considera que "é a mais indicada para o interesse público".

Museu de Arqueologia vai mudar para a Cordoaria Nacional - garantiu na AR o (ainda) secretário de Estado da Cultura

Reproduzimos, por enquanto sem mais comentários e apenas para que fique registada a data, o dito e seu o autor, a notícia de hoje do DN em linha. Por mais insusbantivo que seja, merece registo para confronto com a situação sobreveniente dentro de um ano...

O Ministério da Cultura (MC) vai assinar na segunda-feira um protocolo com a Marinha para a cedência da Cordoaria Nacional com vista à instalação do Museu de Arqueologia, anunciou hoje a ministra, Gabriela Canavilhas.
A ministra da Cultura falava aos deputados na Comissão de Ética, Sociedade e Cultura, no Parlamento.
Na audição, o secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle, adiantou, por seu turno, que as obras na Cordoaria Nacional começarão em 2011.
Prevê-se que a instalação do Museu de Arqueologia nos espaços da Cordoaria aconteça em 2013, disse o mesmo responsável.
A saída do Museu de Arqueologia do actual espaço onde se encontra - entre o Mosteiro dos Jerónimos e o Museu da Marinha - deve-se à criação de um pólo museológico sobre os Descobrimentos.
Hoje, Elísio Summavielle esclareceu os deputados, referindo que o Museu da Marinha irá expandir-se para o espaço ocupado hoje pelo Museu de Arqueologia onde terá uma componente relativa aos Descobrimentos e a expansão portuguesa.
Será criada uma comissão técnico-científica para fazer o acompanhamento do processo, mas manter-se-á a tutela da Defesa, explicou o secretário de Estado.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

"A grande cruzada de Luís Raposo"

Certamente motivado pelas declarações da senhora ministra da Cultura em entrevista ao jornal Público, o jornal SOL resolveu ir à procurar do director de museu que, sózinho com "mais duas ou três pessoas", tem perturbado tanto a governante, a ponto de lhe exigir grandes doses de paciênca.
O resultado é a entrevista que hoje saiu a lume e de que se dá notícia na lista de contactos via Internet MUSEUM, de onde retiramos estas referências:

O caso dos museus do eixo Belém-Ajuda continua a dar que falar. Ontem, no Parlamento, a ministra da Cultura foi novamente confrontada com o assunto, tendo-lhe sido chamada a atenção que só os custos previstos para o novo Museu dos Coches representam 10 vezes mais do que o corte que o MC quer agora fazer aos criadores com quem já tinha contratado apoios.
A ministra respondeu que as verbas do novo Museu dos Coches não pertencem à Cultura. Fraca resposta. Primeiro porque o Governo há-de ser só um e a crise deveria bater a todos por igual. Segundo porque nada obriga a que a verba do Casino seja para ser gasta no novo Museu dos Coches (em nenhum lado está dito isso, no contrato de concessão do Casino). Terceiro porque só para a transferência do MNA para a Cordoaria Nacional, já o MC disse que disporia este ano de verba
idêntica à que quer agora cortar aos criadores. Faz sentido ?
Hoje, o jornal SOL inclui um perfil desenvolvido do director do MNA, sob o título "A grande cruzada de Luís Raposo". Vale a pena ver abaixo.