O FUTURO DO MUSEU NACIONAL DE ARQUEOLOGIA EXIGE PONDERAÇÃO E RESPEITO


Com a publicação da saudação do Dr. Luís Raposo aos Amigos do MNA, do artigo do jornal Publico e da notícia da Antena 1, todos abaixo transcritos, chega ao fim a missão deste blogue independente,
feito por alguns amigos do MNA.

A luta travada nos últimos anos em defesa do MNA, impedindo a sua transferência para a Fábrica da Cordoaria Nacional, foi coroada de êxito.

Ao Dr. Luís Raposo desejamos as maiores venturas na continuação da sua carreira profissional.

Se um dia o MNA voltar a estar em perigo, regressaremos,

porque por agora apenas hibernamos.



segunda-feira, 19 de julho de 2010

Museu de Marinha: governo afina pormenores em protocolo adicional

Segundo noticia o Jornal i, com base em resumo fornecido pela agência LUSA, decorreu hoje uma sessão daquelas que os conhecedores da história se habituaram há muito a associar aos sucessivos fins de regime. Um verdadeiro baile de máscaras:

Os “pormenores” da expansão do Museu de Marinha para o atual espaço ocupado pelo Museu Nacional de Arqueologia (MNA), que será transferido para a Cordoaria Nacional, foram firmados hoje num protocolo entre as diferentes tutelas governamentais.
Os ministros da Defesa e da Cultura, respetivamente Augusto Santos Silva e Gabriela Canavilhas, e o secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Carlos Costa Pina, pelo ministério das Finanças e da Administração Pública, assinaram no Museu de Marinha, um “protocolo adicional” ao protocolo assinado em maio último.
Questionada pela Lusa sobre o que não tinha sido especificado no anterior protocolo que levou à assinatura do novo documento, a ministra da Cultura afirmou: “Questões de pormenor, e especificar qual seria o destino do lugar que fica vago com a futura saída do MNA”.
O ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, adiantou que o novo texto especifica os termos em que o Ministério da Cultura assegura o financiamento dos projetos museográfico e museológico, enquanto ao da Defesa caberá a manutenção e actividade.
No seu discurso, Gabriela Canavilhas anunciou que o projeto para o Museu de Marinha, com um “narrativa certa no lugar certo”, é “criar um espaço museológico vibrante, interativo e renovável”.
A ministra afirmou que o renovado Museu de Marinha “contribuirá para o conhecimento do passado e do presente da nossa identidade coletiva”.
Referindo-se ao novo MNA, cuja abertura “nunca será antes de finais de 2012”, na Cordoaria Nacional, a governante disse que se está “a valorizar a arqueologia nacional”.
Questionada sobre os custos da operação, Gabriela Canavilhas afirmou: “Estão a ser dados todos os passos no sentido da preparação do caderno de encargos e tudo isto é feito com cálculos que são antecipadamente previstos”.
“Números finais só mais tarde os podemos dar”, respondeu, assegurando que “cada passo é metodicamente calculado”.
A renovação do Museu de Marinha insere-se no Plano Estratégico – Museus para o século XXI, apresentado pelo Instituto dos Museus e da Conservação no início do ano.
Referindo-se à zona ribeirinha de Santos até Belém, Canavilhas afirmou que "necessitava de ser repensada e revisitada, numa perspetiva de integração e reordenamento cultural".
Quanto ao renovado Museu de Marinha, a comissão técnico-científica que o protocolo adicional hoje assinado contempla, irá propor “o guião, o programa, os conteúdos e a narrativa, a partir do se passará à fase seguinte de elaboração de projetos específicos” começará a trabalhar em setembro, acrescentou.
A comissão será liderada pelo atual diretor do Museu, comandante Rodrigues Pereira, e terá ainda dois outros elementos da parte cultural das Forças Armadas, enquanto por parte da Cultura farão parte os historiadores Francisco Bettencourt e Mafalda Soares da Cunha.

Sem comentários:

Enviar um comentário