O FUTURO DO MUSEU NACIONAL DE ARQUEOLOGIA EXIGE PONDERAÇÃO E RESPEITO


Com a publicação da saudação do Dr. Luís Raposo aos Amigos do MNA, do artigo do jornal Publico e da notícia da Antena 1, todos abaixo transcritos, chega ao fim a missão deste blogue independente,
feito por alguns amigos do MNA.

A luta travada nos últimos anos em defesa do MNA, impedindo a sua transferência para a Fábrica da Cordoaria Nacional, foi coroada de êxito.

Ao Dr. Luís Raposo desejamos as maiores venturas na continuação da sua carreira profissional.

Se um dia o MNA voltar a estar em perigo, regressaremos,

porque por agora apenas hibernamos.



segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Declaração do Dr. Luís Raposo ao Jornal Público

Pela sua importância solicitámos ao Dr. Luís Raposo a breve declaração que prestou ao jornal Público, citada na notícia abaixo, e aqui a transcrevemos na íntegra:

Confirmo que recebi por escrito uma comunicação do ainda director do IMC, na qual me transmite um despacho seu que determina a não renovação do meu mandato directivo no MNA.

Não quero por agora comentar, porque desconheço os fundamentos dessa decisão. Só depois de maior reflexão, avaliarei o que devo dizer e o que quero fazer. Seja como for, parece-me evidente que se trata de uma decisão que qualifica muito mais quem a toma do que quem lhe sofre o efeito.

É sabido que sempre considerei ser director de museu como um lugar de missão, necessariamente a prazo. Por isso tenho para mim que uma coisa é a defesa do Museu em que trabalho há mais de três décadas, pelo qual lutei variadas vezes como director que sou há década e meia, a última das quais no final da anterior legislatura, para impedir a sua transferência para a Cordoaria Nacional, um plano do Estado Novo, desenterrado pelo anterior SEC. Outra coisa é a defesa de um lugar, mesmo o meu. Na primeira situação justificam-se todos os combates; na segunda, só aqueles que visem defender a transparência dos processos, o bom-nome dos atingidos e sejam ainda compatíveis com o gozo que as coisas nos dão na vida. Ora, eu sou acima de tudo arqueólogo e não considero a direcção de museus como carreira.

E mais não digo, por agora.

Luís Raposo

Sem comentários:

Enviar um comentário