O FUTURO DO MUSEU NACIONAL DE ARQUEOLOGIA EXIGE PONDERAÇÃO E RESPEITO


Com a publicação da saudação do Dr. Luís Raposo aos Amigos do MNA, do artigo do jornal Publico e da notícia da Antena 1, todos abaixo transcritos, chega ao fim a missão deste blogue independente,
feito por alguns amigos do MNA.

A luta travada nos últimos anos em defesa do MNA, impedindo a sua transferência para a Fábrica da Cordoaria Nacional, foi coroada de êxito.

Ao Dr. Luís Raposo desejamos as maiores venturas na continuação da sua carreira profissional.

Se um dia o MNA voltar a estar em perigo, regressaremos,

porque por agora apenas hibernamos.



quinta-feira, 6 de maio de 2010

Última Hora: O GAMNA apoia acção popular contra a transferência do MNA para a Fábrica da Cordoaria Nacional

Transferência da Arqueologia para a Cordoaria provoca acção popular
06.05.2010 - 13:48 Por Lusa

O Grupo de Amigos do Museu de Arqueologia (GAMNA) vai apoiar uma acção popular a apresentar em tribunal por um grupo de cidadãos para invalidar a transferência do Museu para a Cordoaria Nacional.
O Museu Nacional de Arqueologia, instalado numa das alas do Mosteiro dos Jerónimos, alberga 600 tesouros nacionais.
O anúncio foi feito hoje em conferência de imprensa pelo advogado Mário Nogueira Félix, que referiu que este é "um direito que a Constituição permite", e que a acção se baseia nos necessários requisitos de segurança.
O Museu Nacional de Arqueologia, instalado numa das alas do Mosteiro dos Jerónimos, alberga 600 tesouros nacionais e deixará de contar, a partir de sexta-feira, com o espaço da Torre Oca.
O GAMNA anunciou também que o director do museu, Luís Raposo, irá entregar o espaço da Torre Oca ao abrigo do protocolo assinado a 27 de Março do ano passado pelos ministérios da Defesa, Finanças e Cultura.
A Torre Oca é um espaço central de circulação do actual museu, onde se realizaram várias exposições, e resulta do desmoronamento do seu interior em 1878.
O GAMNA alertou para "a estranheza" que é o facto de a Torre ser ocupada por outro museu, dentro das instalações actuais do Museu de Arqueologia.
Na conferência de imprensa estiveram presentes a museóloga Raquel Henriques da Silva, o jurista Pedro Roseta, e a poetisa Maria do Sameiro Barroso, do GMNA.

Comentário
A partir de agora todo o negócio de transferência está posto em causa até haver decisão do tribunal. O protocolo foi impugnado e com ele foi também impugnado o primeiro passo para o concretizar, ou seja, a entrega da torre oca à Marinha. Bem podem os (ir)responsáveis do Ministério da Cultura assinar os papeis que quiserem, porque o tudo o que fizerem será reversível pela acção da justiça.

Sem comentários:

Enviar um comentário